Gestão de Indaiatuba pensa no futuro ambiental e se prepara para descarte correto de lixo

O lixo representa um grande problema para o mundo, porém, o tipo que mais cresce na terra é o lixo eletrônico. Somente no Brasil é produzido cerca de meio quilo de lixo eletrônico por habitante, de acordo com pesquisas da ONU (Organização das Nações Unidas).
Com essa quantidade de lixo o Brasil é o campeão mundial na geração de lixo por habitante. No mundo todo a geração desse lixo chega a cerca de 50 milhões de toneladas todos os anos. Os Estados Unidos estão no topo da lista de principais geradores de lixo eletrônico com três milhões de toneladas. Em seguida aparece a China com uma produção superior a dois milhões de toneladas por ano.
Cada vez mais o ser humano é cercado de uma grande quantidade de equipamentos eletrônicos e com isso surge um grande problema para o meio ambiente, pois grande parte desse lixo não é descartado corretamente.
Como exemplo desse lixo podemos citar os aparelhos celulares, monitores de computador, baterias, televisores, notebooks e computadores em geral, impressoras, câmeras fotográficas entre outros. Descartados de forma errada eles podem comprometer o meio ambiente já que contêm substâncias químicas como chumbo, mercúrio, cádmio, berílio entre outros, essas substâncias podem gerar a contaminação da água ou do solo. Além disso, podem causar graves doenças nas pessoas que trabalham coletando lixo. Outro ponto que deve ser ressaltado é que esses equipamentos têm diversos componentes de plástico, vidro e metais. Isso torna esses equipamentos muito difíceis de serem decompostos no solo.
Para garantir que o seu lixo eletrônico não causará problemas como contaminação e poluição do meio ambiente é importante descartar corretamente. Em Indaiatuba há diversos pontos de descarte para esses e outros materiais que devem ser descartados. Fazendo 188 anos a cidade evolui juntamente com o avanço tecnológico, mas se mantém preparada para cuidar do meio anbiente, assim conta com um Ecoponto de inertes construído na Avenida Artes e Ofícios, no Jardim João Pioli. Na lista de materiais que podem ser levados para o local, estão entulhos de pequenas reformas, madeiras, lixo eletrônico, e recicláveis em geral. O horário de funcionamento é das 7h às 17h, de segunda a sexta-feira, e das 7h às 12h aos sábados. Além da rampa e das caçambas onde são depositados os materiais, o espaço conta com uma guarita, onde ficará um funcionário para fazer o controle do tipo de material descartado. Um papa-pilhas também foi instalado no local para receber pilhas e baterias.
De acordo com o Prefeito Nilson Gaspar (MDB), outros três bairros receberão esse modelo mais completo de Ecoponto. “Nos próximos dias vamos iniciar a construção no Jardim Paulista e temos projeto para os Jardins Pompeia e Califórnia”, avisou.
Os locais para a instalação de Ecopontos de inertes foram escolhidos com base nas áreas já utilizados por populares para descarte irregular de entulhos. “Com esses novos Ecopontos de inertes pretendemos acabar com esses pontos de descarte irregular de lixo, que prejudicam a limpeza da cidade, o meio ambiente e até a Saúde Pública”, completou o prefeito.
O novo espaço segue os mesmos moldes do Ecoponto de inertes do Jardim Morada do Sol, que foi desativado no dia 6 de agosto, porque os novos espaços já oferecem cobertura necessária para atender a demanda do local. Além disso a cidade conta também com Ecopontos subterrâneos em diversos pontos da cidade como na Emeb. Profa. Maria Cecília Ifanger, Rua Pedro de Toledo, em frente ao nº. 2.300 – Vila Avaí, Emeb. Prof. Antonio Luiz Balaminutti, Rua Ricieri Delboni 310 – Parque Residencial Indaiá, Parque Ecológico, Av. Engenheiro Fábio Roberto Barnabé – Marginal Esquerda, em frente ao estacionamento do Parque Ecológico, Jardim Europa, Rua Lisboa, próximo ao nº 178, Viber, Rua Pará – Cidade Nova, Terminal Rodoviário ‘Vereador Maurílio Gonçalves Pinto’, Rua dos Indaiás, 1.791, Jardim Belo Horizonte, Emeb ‘Professor Wladimir Olivier’, Rua Yoriko Gonçalves, 30 – Jardim Oliveira Camargo. O modelo subterrâneo inibe invasões e vandalismo e torna o entorno do Ecoponto mais limpo. A capacidade dos containers é de 3 mil litros cada, e dependendo do volume de recicláveis coletado no local, são instalados dois ou três em cada ponto. Nesse tipo de Ecoponto devem ser depositados apenas papéis, garrafas Pet e plástico em geral, latas de alumínio, garrafas de vidro e embalagens Longa Vida. O óleo usado em frituras que é encaminhado à Usina de Biodiesel, também pode ser depositado no local, desde que esteja em garrafas Pet bem fechadas para não vazar e comprometer os demais materiais.

Fonte: Jornal Exemplo

Artigos relacionados
Carregar mais por redação
Carregar mais em Notícias
Comentários estão fechados.

Leia também

Viracopos inicia Operação Fim de Ano com expectativa de 834 mil passageiros

O Aeroporto Internacional de Viracopos inicia hoje (14/12) a Operação Fim de Ano/Feliz 201…