Jesuíta e missionário, ele foi responsável por, entre outras ações, criar um dos mais importantes centros de tratamento para dependentes químicos da cidade

Reprodução

Jesuíta e missionário, ele foi responsável por, entre outras ações, criar um dos mais importantes centros de tratamento para dependentes químicos da cidade

Campinas se despediu neste sábado de uma de suas figuras mais incônicas de todos os tempos: o jesuíta e missionário Haroldo Joseph Rahm, mais conhecido como Padre Haroldo, que morreu após sofrer uma parada cárdiaca, por volta do meio dia, aos 100 anos de idade. Padre Haroldo morava na Casa dos Jesuítas, em São Paulo, onde recebia assistência de enfermeiros e cuidadores. Ele é o principal responsável por criar um dos mais importantes centros de tratamento para dependentes químicos de Campinas: o Instituto Padre Haroldo, uma unidade de referência nacional e que já transformou a vida de pelo menos 80 mil pessoas em pouco mais de 40 anos.

A morte de uma das figuras mais importantes da cidade foi encarada com tristeza por dezenas de autoridades e instituições, que lamentaram o falecimento do missionário. “Queridos, com tristeza, informamos que nosso amado Padre Haroldo está agora nos braços do Pai a quem ele serviu por toda sua vida. Detalhes sobre as cerimônias de graças por sua vida serão postadas em breve por nossos canais. Ele partiu sem dor e em paz”, informou em nota, o Instituto Padre Haroldo.

A cerimônia de velório dele acontece neste domingo, das 8h às 15h, no Paço Municipal de Campinas. Após isso, o corpo seguirá em cortejo para o Mosteiro de Itaici, em Indaiatuba, onde haverá uma missa às 16h. O corpo dele será sepultado às 17h. O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB) decretou luto oficial de três dias por causa de sua morte. “Padre Haroldo foi um ser humano muito especial, que ajudou e iluminou a vida de várias pessoas”, disse Jonas. “Meus sentimentos à sua família, amigos e aos muitos admiradores. Padre Haroldo fará muita falta, mas deixa um enorme legado para ser seguido por todos nós”, ressaltou.

Sheila Guimarães, primeira psicóloga a trabalhar com o Padre Haroldo, em uma fazenda de recuperação de toxicômanos, se emocionou ao falar da morte do colega com quem cultivava uma amizade desde 1978. “A morte dele foi uma surpresa para mim, porque ele era um homem ainda muito participativo. Não achei que ele nós deixaria tão breve”, comentou. “Fico muito triste, mas orgulhosa de ter participado da vida de uma pessoa tão maravilhosa e agradável como ele”, ressaltou.

O vereador Nelson Hossri (Podemos), conhecido por abraças pautas voltadas ao combate e tratamento de drogas, também lamentou a morte do amigo, com quem chegou a realizar alguns trabalhos. O parlamentar também esteve, recentemente, na festa de comemoração dos 100 anos do jesuíta. “Eu recebi a notícia e fiquei sem chão. Ele era um ser humano extraordinário e transformou a vida de milhares de pessoas, inclusive, de algumas que eram bem próximas de mim. Ele sempre foi um exemplo de amor e eu sinto um vazio muito grande. É uma perda irreparável para toda comunidade”, destacou.

Presidente da Câmara Municipal de Campinas, Marcos Bernardelli, foi outro que também prestou sua solidariedade. “Aos 100 anos de idade, Padre Haroldo ainda colocava a vida de seus semelhantes em primeiro lugar e ajudou dezenas de milhares de pessoas com seus trabalhos beneficentes, em especial aqueles que sofriam com a dependência química. Campinas está em luto e a Câmara se solidariza com família, amigos e todos aqueles que tiveram a honra de conhecê-lo e que de alguma forma usufruiram de sua bondade e amor ao próximo”.

O cofundador da Federação das Entidades Assistenciais de Campinas (Feac), Darcy Pas de Padua, também lamentou a partida do amigo, lembrando que a Feac sempre apoiou suas obras sociais, a começar pelo terreno do Instituto Padre Haroldo, doado pela Feac. “Ele foi um homem muito especial, sempre engajado com projetos sociais e de solidariedade. Fiquei muito triste ao acordar esta tarde e receber a notícia de sua morte”, disse Padua. “Falar de trabalhos sociais de reabilitação é falar de Padre Haroldo”, completou.

Biografia

Haroldo Joseph Rahm, mais conhecido como Padre Haroldo, nasceu no Estado do Texas, nos Estados Unidos, em 22 de fevereiro de 1919. No Brasil, ele tomou a frente de programas de evangelização e obras sociais, coordenando pessoalmente a criação das chamadas Casas Dia, com dezenas de unidades espalhadas pelo País para o amparo e os cuidados com dependentes químicos. O projeto serviu de base para a criação do instituto que leva seu nome em Campinas, onde milhares de pessoas já foram atendidas. O trabalho tem o reconhecimento até no exterior. A prefeitura de El Paso, no Texas, o condecorou em 2016 com o título de “Cidadão do Ano”.

Padre Haroldo, desde muito cedo, já era conhecido também por dedicar sua vida em prol de terceiros. Nos Estados Unidos, ele já desenvolvia, por exemplo, desde jovem, uma série de trabalhos sociais com jovens que viviam na fronteira com o México. Ele chegou ao Brasil em 1965, e se naturalizou brasileiro anos depois, em 1986. Em 1978, fundou a entidade filantrópica “Associação Promocional Oração e Trabalho” (APOT) que em 2009 foi rebatizada com seu nome pela diretoria. Ao longo de sua vida, Padre Haroldo também ministrou dezenas de cursos, recebeu diversos prêmios e publicou mais de 50 livros. 

Escrito por:

Henrique Hein/AAN

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias
Comentários estão fechados.

Leia também

Governo adia fim de taxa em aeroportos

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse ontem que o fim da taxa de US$ 18…