Empresas nordestinas criam picolé de cerveja para o carnaval

Desde o final do ano passado todos já puderam perceber que o calor veio com tudo e não será diferente nesse Carnaval.

Foi pensando nisso que duas empresas nordestinas decidiram criar algo para refrescar o calor: o picolé de cerveja. A criação pernambucana mistura a textura de um picolé com o aroma e sabor de uma cerveja artesanal.

Foram precisos apenas 7 dias para criar o produto, desde a ideia até o primeiro protótipo, mas foram necessários quatro meses, e outros dois picolés experimentais, para chegar na versão final.

As empresas envolvidas nessa novidade são a Frisabor e Ekäut. A cerveja American IPA (India Pale Ale), foi a escolhida para o sorvete.

Durante os testes, fizemos experiências com várias cervejas de vários tipos até chegarmos no rótulo atual. Colocamos uma base neutra e deixar o sabor da cerveja mais forte. Chegamos ao resultado de cerveja no palito“, afirmou o gerente industrial da Frisabor, Ricardo Bicalho.

Sem leite ou outro produto de origem animal na composição, o picolé também é vegano. “Percebemos que a base de leite mascarava um pouco o sabor da cerveja, então decidimos tirar para preservar o sabor. É uma criação que tem como alvo o público cervejeiro“, afirmou o diretor executivo da Ekäut, Diogo Chiaradia.

O picolé é apenas para o público maior de 18 anos e possuí um teor alcoólico de 3,25%.

O nosso foco grande é no verão e no nosso carnaval, mas no Nordeste, o picolé tem uma sazonalidade muito menor do que no Sudeste, porque a gente tem verão o ano inteiro, praticamente. Então é um produto que vai perdurar o ano inteiro“, afirmou Charadia.

A ideia é que o consumidor encontre o produto em sorveterias e na cervejaria a partir do dia 9 de janeiro, pelo preço sugerido de R$7.

fonte: G1

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Entretenimento
Comentários estão fechados.

Leia também

Vídeo impressionante mostra preguiça dando à luz nas alturas

Vídeo raro mostra nascimento de preguiça na copa de árvore “Não é todo dia que se vê o nas…