O presidente do iFood, Carlos Moyses, declarou em um comunicado que a partir de outubro a empresa fará suas entregas via drone.

As operações e os primeiros testes começaram no Shopping Iguatemi, em Campinas/SP, porém o objetivo não é dispensar os entregadores tradicionais do serviço, mas fazer com que eles trabalhem juntos para que as entregas aconteçam mais rapidamente.

A ideia é utilizar os drones para sobrevoarem áreas pouco atrativas ou muito congestionadas até aeroportos, localizados em prédios comerciais, para que os entregadores recolham e entregam as encomendas.

Carlos Moyses, CEO do iFood, e Bruno Henriques, vice-presidente de inteligência artificial do iFood. Imagem: Keiny Andrade/UOL

Todo o trajeto que os drones percorrerão precisarão ser pré-aprovados pela Agencia Nacional de Aviação Civil. Além disso, a startup planeja que o sistema de entregas seja multimodal, ou seja, em um futuro próximo tenha vários modelos de entregas diferentes além dos drones e entregadores.

A primeira fase de testes começa com o drone retirando um produto do shopping Iguatemi com destino ao iFood Hub, um centro de expedição da marca dentro do empreendimento. Em seguida, o pedido segue para o endereço de destino utilizando bicicletas ou motos.

“O drone ainda não fará entregas na janela dos clientes. A ideia é que ele complemente a operação dos modais tradicionais. Em um shopping, por exemplo, os entregadores podem levar até 12 minutos para retirar o pedido no restaurante e, com o uso do drone, esse tempo varia entre 30 segundos e 1 minuto”, explica Roberto Gandolfo, diretor de Logística do iFood.

A inserção de drones também melhora a imagem da empresa, visto que poderá diminuir a intensidade do trabalho dos entregadores.

O iFood será uma das primeiras empresas no Brasil a realizar entregas por aeronaves não tripuladas. A responsável pela iniciativa é a SpeedBird, que já traçou um cronograma e estabeleceu que as entregas começarão em outubro, porém a Anac ainda precisa fazer alguns ajustes antes de autorizar.

É uma questão de ovo e galinha ao mesmo tempoPara voar, tem que certificar. Só que, para certificar, tem que voar.“, brinca Samuel Salomão, um dos fundadores da SpeedBird. Segundo o executivo, os primeiros voos do iFood serão cruciais para a aprovação com a Anac.

O iFood ainda não tem uma previsão de novos locais a receberem a iniciativa, mas a expectativa é ter 100 rotas traçadas em Campinas no momento inicial antes de expandir as áreas de atuação.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Entretenimento
Comentários estão fechados.

Leia também

Casa Aliança Gourmet está com oportunidade(s) para Atendente

Objetivo do Cargo Responsável pelo atendimento dos clientes no restaurante, padaria ou caf…