Participe do nosso grupo e tenha um currículo capaz de atrair 5X mais entrevistas

A partir desta quinta-feira a seleção brasileira vai começar sua caminhada em busca do título inédito da Copa do Mundo feminina. O técnico Vadão anunciou os nomes que vão integrar o time no Mundial da França, que será disputado no próximo mês, mas algumas de suas falas não passaram desapercebidas.

Durante a coletiva concedida na sede da CBF, no Rio de Janeiro, o treinador fez dois comentários que o fizeram entrar nos assuntos mais falados do Twitter. Perguntado sobre as diferenças entre os vestiários dos times masculinos e femininos, Vadão deu uma resposta que criou grande polêmica.

“Quando nós entramos no vestiário elas não paravam de falar, porque é difícil né, elas não param mesmo. Quando a gente vai almoçar elas ficavam na mesa delas ali e nós aqui, elas conseguem falar todas juntas, uma com a outra, e ainda ouve o que a outra está falando lá e se comunicar aqui”, disse.

Depois, voltou a comentar sobre a situação do vestiário no intervalo com a Argentina na Copa América, em que ocorreram algumas polêmicas com relação a arbitragem.

“Os homens não tem tanto isso, tem uma discussão ou outra mas são raros os casos, as mulheres é com frequência, quando elas estão nervosas a frequência é maior. Às vezes é um pouco mais difícil acalmar as mulheres naqueles momentos do que os homens, que é um pouco mais fácil”, afirmou.

Veja também:
Judoca esquece celular no quimono, que cai em luta do Grand Slam; assista

Não parou por aí. Em outro momento, Vadão foi convidado a falar sobre a seleção da Jamaica, time contra quem a seleção estreia no dia 9. A Jamaica está no Grupo C, junto do Brasil, Austrália e Itália. Andes de irmos ao comentário, vale lembrar que a Jamaica é um país situado no Caribe e, portanto, fica na América Central.

“Temos a Jamaica, que é surpresa, pois nunca tinha participado, já tínhamos visto vários jogos. É uma equipe que não foge da característica do futebol africano, muita estatura, atacantes altos, que sabem proteger. Pressionada, vai esticar a bola nesta atacante. É uma equipe forte, veloz. E podemos explorar outras coisas que percebemos, distância entre as linhas. Equipe nos moldes africanos”, analisou.

Repórter é demitido após xingar Ana Thaís Matos, mas nega autoria do post

Veja também:
Regina Duarte: ‘sou chamada de fascista por apoiar Bolsonaro’

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Entretenimento
Comentários estão fechados.

Leia também

Oficina de teatro é realizada em Salto a partir deste fim de semana

Participe do nosso grupo e tenha um currículo capaz de atrair 5X mais entrevistas Oficina …