Foto Repórter Brasil

Transformações no capitalismo, aos poucos, parte 6. Aguardem

por Rui Daher

(para o GGN)

Sim, Durango Kid, Cavaleiro Negro, Roy Rogers, Gene Autry, Wyatt Earp, Bat Masterson, me pegaram, na figura de único Orange Skin e de seu simulacro brasileiro, capitão mal reformado, Jair Bolsonaro, o Regente Insano Primeiro, por nós criado, sem qualquer conclusão clara de nossos cientistas sociais.

Meu palpite. Não somos mais do que isso, ele e seu pensamento ogro e conservador, daí estarmos paralisados a aguentar. Regina Duarte está na Cultura. Bárbara injustiça com Sandy, do Júnior, que inventou o panetone churrasquinho e bacon (grato Márcio Alemão).

A atual edição impressa de CartaCapital tenta expor o non-sense, pouco entendi.

(Originalmente publicado em CartaCapital)

Quem avisa é o grupo Cairns formado por 19 países exportadores agrícolas: até 2030, os subsídios cedidos aos agricultores, em suas diversas formas, poderão saltar dos quase US$ 800 bilhões, em 2016, até US$ 2 trilhões.

A coalização, que inclui países do Mercosul, Austrália, Canadá, Indonésia e Tailândia, entre outros, sugere o ase assunto ser discutido no âmbito da OMC, Organização Mundial do Comércio, e lá tratadas possíveis regulações, onde o Regente Insano Primeiro (RIP) releva nossos direitos para se entregar à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), babando ovo para Donald “Pele Laranja” Trump, quem instigou a China fez piorar o comércio internacional.

Nós brasileiros, ‘campeões em empreenduberismo’ e saltados umbigos, xavecamos: “o rombo deixado por antigos governos era muito grande, está melhorando, vamos dar mais tempo a ele”.

Leia também:  Não, a economia brasileira não se recuperou da crise de 2014-2016; e talvez nunca se recupere…, por José Luis Oreiro

Distraídos, comemoramos os pontos da Bovespa mais um recorde no Valor Bruto da Produção (VBP), para R$ 675 bilhões, 7% acima do recorde na safra anterior, como informa o ministério Tóxico.

Estranharam eu não usar Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o MAPA? É que adoro quando o Brasil é líder em alguma coisa. E somos. Na temporada 2018/2019, a venda de agrotóxicos atingiu US$ 11,5 bilhões, segundo estudos da consultoria Kleiffmann Group. Apesar da queda de 5% em dólares, as vendas cresceram 9% em reais.

De qualquer forma, uma vitória de RIP sobre ‘Orange Skin’, segundo colocado. Sim, a argumentação venenosa virá “reflexo do clima tropical do país, que favorece a proliferação de pragas e doenças”.

Só não se menciona a escuridão no bolso do agricultor. Segundo o Rabobank, possuidor de um bom setor de análise agropecuária, nas últimas cinco safras, “os herbicidas tiveram um aumento de preços de 52% em real, os fungicidas 53%, e os inseticidas 38%, enquanto a inflação acumulada foi de 30,6%”.

Constatação pessoal em Andanças Capitais: houve queda no custo por hectare dos tratamentos com o herbicida glifosato, o famoso Roundup (antes Monsanto, hoje Bayer), função da concorrência chinesa, de outros genéricos, e de produtos naturais capazes de potencializar o efeito dos herbicidas, diminuindo as doses aplicadas.

Com os defensivos, tóxicos e não, a tarefa é mais difícil pela variedade de culturas plantadas no Brasil, a multiplicar o número de pragas e doenças específicas a cada uma delas.

É importante notar que essas moléculas, em sua maior parte, são desenvolvidas por empresas dos EUA e Europa, sendo pouco expressiva a participação de empresas nacionais.

Leia também:  Do fim do socialismo de Estado em 1989 à crise do capital mundial em 2009, por Robert Kurz

Isso se pode dizer dos fertilizantes químicos. Em 2019, mais de 85% da demanda foi atendida por importações. Depois de privatizadas as fábricas estatais de matérias-primas, pouco se investiu em produção nacional e a indústria se concentrou em poucas empresas multinacionais, tornando abissal sua expressão diante dos pequenos misturadores regionais, hoje em dia, vários deles vendidos, incorporados, ou em recuperação judicial. De 2016 a 2019, a produção nacional caiu 22% e representa pouco mais de 10% do consumo.

Acelerada pela equipe econômica de Paulo Guedes, e expressa em sua vontade “por mim, vendia tudo, mas não dá”, o caminho entreguista chega agora às distribuidoras de insumos agrícolas, nas formas de aquisições, participações e joint-ventures.

A canadense Nutrien, maior produtora de potássio do mundo (vendas globais de US$ 16,5 bilhões, nos nove primeiros meses de 2019), comprou a Agrosema Comercial Agrícola, de Elias Fausto/SP, que vende US$ 60 milhões por ano. Prometem colocar mais lojas no carrinho.

Vale o mesmo para o setor de nutrição humana e animal, com compra pela ADM da paranaense Yerbalatina.

Nos últimos 10 anos, o consumo de cafés especiais cresceu acima de 20% ao ano. Em Minas Gerais, grande interesse é relatado.

“Não disse que estava tudo bem”? Se não mudar de ideia, volto ao assunto. Inté. Se percuntarem por mim, Melodia, do Conselho Celestial do Dominó de Botequim, saberá dizer.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Tratores, carros, motos, aviões, motores e turbinas: qual a distância tecnológica entre produtos?, por Paulo Gala e Gabriel Galipolo

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Região
Comentários estão fechados.

Leia também

Minas registra salto em mortes por causas respiratórias

Em tempos de alerta quanto à pandemia do novo coronavírus, diz O Estado de Minas, registro…