A gestação é um momento muito especial na vida das mulheres. A jornada da gravidez é cercada de muitos medos e ansiedade pelos futuros pais. Para ajudar a tirar as dúvidas e controlar o desenvolvimento da criança, é importante que a grávida tenha o acompanhamento médico durante o pré-natal.

É muito comum algumas mulheres sofrerem com os sintomas que são característicos do início da gravidez. Muitas mulheres se queixam de tontura, cólicas, azia e enjoos. Contudo, um dos incômodos mais relatados pelas futuras mamães é o enjoo.

Publicidade

Existem alguns medicamentos usados para aliviar esses desconfortos. No entanto, é importante ficar alerta com o tipo de medicamento usado para aliviar esse probleminha que acomete as gestantes. O motivo da preocupação se deve ao alerta feito pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

O medicamento que é muito usado para combater o enjoo pode trazer um sério problema de saúde para a criança. O alerta tem como base o estudo realizado pela conceituada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A pesquisa feita pela instituição concluiu que bebês de gestantes que foram expostas ao ondansetrona tem maiores chances de desenvolver o lábio leporino e a fenda palatina.

Publicidade

Segundo a agência, os riscos teriam uma relação com o uso do remédio nos primeiros três meses da gravidez. Ainda de acordo com Anvisa, a medicação está dentro da categoria B de gestação, ou seja, ele somente deve ser usado se for autorizado pelo médico.  Com o sinal de alerta por causa do estudo, a Anvisa tem estudado a possibilidade de mudar a categoria de uso da medicação.

A agência considera mudar o remédio para a categoria D de risco na gravidez. Nesta classificação o medicamento tem evidências positivas de risco para o bebê. Contudo, os benefícios para a futura mamãe podem justificar o seu uso em algumas situações. O ondansetrona tem sido submetido a mais estudos.

Como prevenir o problema

Ainda não se sabe com precisão o que realmente provoca as fissuras. Contudo, pesquisas apontam que o problema tem relação genética e também fatores ambientais. Por isso, para evitar má-formações no bebê, recomenda-se que as grávidas evitem algumas coisas.

O ideal é manter uma alimentação equilibrada e evitar o uso de álcool, drogas e cigarro. Esses fatores podem elevar os riscos de alteração na formação do feto, incluindo a fissura.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Saúde & Bem Estar
Comentários estão fechados.

Leia também

Descoberta a maior queda livre de São Paulo com 124,2 metros

A Cascata Grande fica no Parque Estadual Furnas do Bom Jesus, norte de São Paulo — Foto: M…