Ônibus da Sancetur em Indaiatuba. Empresa continua operando até esclarecimentos de eventuais irregularidades

Prefeitura terá de provar que não houve irregularidades. Cabe recurso ao STJ

ADAMO BAZANI

A 8ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo negou recurso da Sancetur Santa Cecília Turismo Ltda e manteve decisão de primeira instância que suspendeu a validade da licitação dos transportes de Indaiatuba, no interior paulista, que teve a empresa como vencedora.

Com isso, a Sancetur, de parte da família Chedid, continua operando de forma provisória na cidade, não podendo ainda assumir o contrato de concessão de 15 anos que pode ser renovado por mais 15.

A decisão de primeira instância, que foi mantida, atende ação da West Side Turismos e Viagens Ltda, empresa do grupo de Belarmino de Ascenção Marta, que alega que a licitação de Indaiatuba e a vitória da empresa de Chedid foram marcadas por possíveis irregularidades.

A companhia do grupo de Belarmino argumenta que a proposta financeira da empresa dos Chedid não é compatível com a realidade “de custos para operações” do sistema de transporte, e que, por isso, a Sancetur deveria ter sido “desclassificada; o que também foi suscitado pela requerente em sede administrativa, sem sucesso.”

A West Side ainda diz que a Sancetur, ao longo do contrato emergencial, tem sido beneficiada pela prefeitura.

Assim como a decisão de primeira instância, o posicionamento da 8ª Câmara foi para que os efeitos da licitação sejam suspensos até o esclarecimento dos pontos apresentados pela West Side.

No entendimento da Justiça, os passageiros não serão prejudicados porque a operação dos serviços continua sendo realizada pela Sancetur na cidade e que neste momento, a anulação da licitação (que é diferente de suspensão) ou a não apuração das supostas irregularidades seria pior.

Mas há um sopesamento dos interesses envolvidos e a formulação de um juízo de cautelaridade para considerar que a celebração do contrato de nova concessão com a expedição de ordem de início dos serviços tende a consolidar uma situação jurídica diante de um quadro de incertezas quanto à higidez dos atos praticados pela Administração.

É certo que o desfazimento do contrato, em eventual provimento judicial posterior, será mais traumático para o serviço público do que manter o “status quo” enquanto se dissipam as dúvidas sobre a higidez dos atos administrativos impugnados. – diz trecho do acórdão.

Cabe recurso da decisão, que ocorreu em 23 de outubro de 2019, mas só foi divulgada no último sábado, 02 de novembro de 2019.

As indisposições entre a parte da família Chedid e as empresas de Belarmino se ampliaram desde que a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré, de Belarmino, foi descredenciada em janeiro de 2018 pela prefeitura de Indaiatuba, que alega que a companhia descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes.

A empresa que assumiu no lugar foi justamente a  Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, em um contrato emergencial.

Desde então, os dois grupos comerciais travam disputas em outras licitações:

Indaiatuba:

O grupo de Belarmino e a Sancetur travaram uma guerra comercial, nos tribunais e de informações desde que a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré, de Belarmino, foi descredenciada em janeiro de 2018 pela prefeitura de Indaiatuba, que alegava que a companhia descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes.

A empresa que assumiu no lugar foi justamente a  Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, em um contrato emergencial. Houve uma licitação para a operação de um contrato regular, cuja vitória foi atribuída pela prefeitura à Sancetur. Mas em 31 de julho de 2019, a juíza Erika Folhadella Costa, da Terceira Vara Cível da cidade atendeu ação da West Side Turismos e Viagens Ltda e suspendeu os efeitos da licitação até esclarecimentos sobre a concorrência. A West Side pertence a Belarmino. No dia 30 de agosto de 2019, o juiz José Maria Câmara Junior, da 8ª Câmara de Direito Público de Indaiatuba, no interior de São Paulo, negou recurso da Sacentur e manteve a suspensão. A empresa de parte da família Chedid continua operando emergencialmente.

Em 23 de outubro de 2019, a 8ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo negou recurso da Sancetur Santa Cecília Turismo Ltda e manteve decisão de primeira instância que suspendeu a validade da licitação dos transportes de Indaiatuba, no interior paulista, que teve a empresa como vencedora.

Bragança Paulista:

A licitação dos transportes de Bragança Paulista, no interior de São Paulo, reúne três nomes que têm sido comuns em concorrências no Estado.

A prefeitura comunicou nesta terça-feira, 15 de outubro de 2019, a habilitação de três empresas no certame e a disputa promete ser acirrada.

As empresas habilitadas são:

– Carretero – Agência de Viagens, Turismo e Fretamentos, que segundo a Jucesp – Junta Comercial do Estado de São Paulo pertence a Belarmino de Ascenção Marta, a sua outra empresa, Nossa Senhora de Fátima Auto-Ônibus Ltda (atual operadora), Embralixo – Empresa Bragantina de Varrição e Coleta de Lixo e Manuel José Rodrigues.

– Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, que ainda segundo a Jucesp, pertence à Marly Theckla Nassif Abi Chedid e a Mauro Costa Pereira Filho.

– JTP – Transportes, Serviços, Gerenciamento e Recursos Humanos Ltda, de Paulo Henrique Wagner e Tadeu Wagner Júnior, de acordo com registro da Jucesp.

Americana:

A concorrência pública para definir a nova concessionária do transporte coletivo de Americana, interior de São Paulo, foi suspensa por decisão do Tribunal de Contas do Estado de SP (TCE-SP).

Em seu despacho de 14 de outubro de 2019, o Conselheiro Edgard Camargo Rodrigues, em função de representações apresentadas contra o certame, e pelo fato de a entrega das propostas da Concorrência Pública nº 003/2019 ter sido marcada para o dia 15, determinou ao Prefeito de Americana que suspenda “a sessão pública inaugural e abstenha-se de quaisquer medidas até deliberação definitiva desta Corte”.

Motivaram a suspensão, as representações apresentadas ao TCE por Edinilson Ferreira da Silva, cidadão de Itatiba; a empresa West Side Viagens e Turismo LTDA.; e a empresa MJM Transportes e Serviços EIRELI.

Atualmente o transporte local é operado pela Sancetur em caráter emergencial. A última renovação foi publicada no dia 23 de março de 2019. A West Side pertence ao grupo de Belarmino de Ascenção Marta:

– Campinas:

Um dos principais sistemas de atuação de Belarmino de Ascenção Marta teve abertura de concorrência por parte da prefeitura com previsão de entrega de envelopes com as propostas no dia 18 de outubro de 2019, mas no dia 14, o TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo suspendeu a licitação. Entraram com representações a ITT Itatiba Transportes Ltda, Sancetur Santa Cecília Turismo Ltda e pela Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo (FETPESP).

HISTÓRICO:

(Adamo Bazani)

No dia 31 de janeiro de 2018, a administração decretou a caducidade do contrato com a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré.

Segundo a prefeitura, a Rápido Sumaré descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes. O poder público ainda diz que somente em multas, a Rápido Sumaré deve mais de R$ 1,6 milhão. Deste total, R$ 842,5 mil são correspondentes a multas cujos recursos foram negados e estão na dívida ativa.

A empresa na ocasião negou os valores dos débitos e afirmou que não houve descumprimento de cláusulas contratuais.

Relembre: Prefeitura de Indaiatuba decreta caducidade do contrato com empresa de ônibus

A Rápido Sumaré recorreu na justiça, no dia 09 de fevereiro conseguiu derrubar a caducidade, mas no dia seguinte, a prefeitura derrubou a liminar.

Relembre: Justiça derruba caducidade de contrato da Rápido Sumaré que continua a operar em Indaiatuba e

Prefeitura de Indaiatuba derruba liminar que mantinha a Rápido Sumaré operando na cidade

A Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda começou a operar no dia 11 de fevereiro de 2018.

Alguns ônibus da Citi/Rápido Sumaré foram colocados pela empresa para circular no dia, mas acabaram sendo apreendidos.

Relembre: Sancetur começa a circular em Indaiatuba e Rápido Sumaré tem ônibus apreendidos

Uma das polêmicas envolvendo o contato com a Sancetur foi o pagamento de subsídios pela prestação de serviços.

O Tribunal de Justiça decidiu em outubro proibir o pagamento de subsídio à Sancetur segundo determina lei municipal proposta pela prefeitura.

Após o Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspender o Edital nº 114/18 para a concessão do serviço de transporte público do município, em julho deste ano, a prefeitura decidiu renovar o contrato emergencial com a empresa Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda por mais 180 dias.

O edital, lançado no dia 19 de junho de 2018, previa o dia 23 de julho passado como data para a abertura dos envelopes.

A Sancetur já vinha prestando serviços desde 11 de fevereiro de 2018, por um contrato também emergencial de seis meses, que venceria no dia 10 de agosto.

Relembre: Justiça impede prefeitura de Indaiatuba de pagar subsídio para a Sancetur

No dia 29 de novembro, a Câmara aprovou o pagamento de subsídios pelas operações dos serviços da empresa que vencer a licitação.

Relembre: Câmara Municipal de Indaiatuba aprova subsídio para transporte coletivo

Os motoristas da Sou Indaiatuba, da Sancetur Santa Cecília Turismo Ltda, foram dispensados e assinaram um aviso prévio nesta sexta-feira, 18 de janeiro de 2019.

A prefeitura suspendeu no fim de janeiro a licitação para atender determinações do TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, que recebeu representação de eventuais interessados.

Em 23 de janeiro de 2019, a juíza Erika Folhadella Costa, da 3ª Vara Cível de Indaiatuba, também determinou a revogação do certame ao atender ação da empresa West Side Viagens e Turismo Ltda, que contestou pontos do edital. As propostas deveriam ter sido entregues no mesmo dia.

A revogação foi publicada no Diário Oficial do Município em 23 de janeiro de 2019.

No dia 31 de janeiro de 2019, finalmente, a prefeitura publicou Termo de Ratificação, confirmando a dispensa de licitação para o transporte público de passageiros.

Em fevereiro de 2019, o TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo determinou que em 15 dias, a prefeitura de Indaiatuba, no interior paulista, explique a contratação emergencial da Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda.

A companhia, da família Chedid, que operava desde o ano passado de forma emergencial teve a contratação ampliada no início deste mês por mais 180 dias porque a prefeitura revogou a licitação do sistema após a juíza Erika Folhadella Costa, da 3ª Vara Cível de Indaiatuba suspender a concorrência, apontando vícios no edital.

Relembre: Indaiatuba renova contrato com a Sancetur por mais 6 meses

A determinação do TCE foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo de 22 de fevereiro de 2019.

O órgão de contas recebeu uma representação da Auto Transporte Princesa da Colina Ltda contra a renovação da contratação emergencial em agosto do ano passado, com valor de R$ 11,2 milhões (R$ 11.296.307,00).

A Princesa da Colina argumenta que prazos apertados e falta de publicação na imprensa oficial teriam favorecido irregularmente a Sancetur.

No dia 28 de fevereiro de 2019, a prefeitura de Indaiatuba, no interior paulista, marcou nova data para a licitação dos transportes na cidade.

De acordo com publicação no Diário Oficial do Estado de São Paulo, os envelopes com as propostas devem ser entregues no dia 01º de abril deste ano.

Relembre: Prefeitura de Indaiatuba marca entrega de propostas em licitação dos transportes coletivos para o dia 01º de abril

Em 29 de março de 2019, por determinação do juiz Sérgio Fernandes, da 2ª Vara Cível de Indaiatuba, a prefeitura suspendeu a licitação, cuja entrega de propostas estava marcada para 01º de abril. O magistrado concedeu mandado de segurança movido pela Rápido Sumaré Ltda, empresa de Belarmino de Ascenção Marta, que operava na cidade e foi descredenciada pela prefeitura no início de 2018. O juiz acatou as argumentações da Rápido Sumaré de que a prefeitura manteve no edital de licitação os mesmos problemas que foram apontados pelo TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, que já havia barrado uma das tentativas de concorrência.

No dia 02 de abril, a prefeitura publicou no Diário Oficial do Estado nova data para a entrega dos envelopes: 02 de maio.

No dia 05 de abril, nova mudança publicada no Diário Oficial do Estado: a entrega dos envelopes passou para 07 de maio.

Mas a prefeitura decidiu alterar o edital após questionamentos e remarcou a abertura dos envelopes com as propostas técnicas para 07 de junho. A licitação prevê a operação de 70 ônibus e o principal critério para determinar a empresa vencedora é a menor tarifa de remuneração oferecida. O período de concessão foi estipulado em 15 anos podendo ser renovado por mais 15. A empresa não será obrigada a manter cobrador, mas terá de gratificar o motorista que dirigir e cobrar.

A Sancetur – Santa Cecília Turismo foi declarada vencedora da licitação dos transportes pela prefeitura de Indaiatuba no dia 11 de julho de 2019 e o contrato foi homologado no dia 30.

Segundo a administração municipal, Sancetur ofereceu menor tarifa de remuneração, mas que ainda está no prazo de recursos.

“A Sancetur apresentou a proposta de tarifa a R$ 4.60 e a West Side de R$ 4,67. Foram analisadas e aprovadas as planilhas de composição de preços das duas concorrentes, mas como a Sancetur apresentou o preço menor, ela foi declarada vencedora”. – diz nota da administração no dia 11 de julho.

No dia 31 de julho de 2019, a juíza Erika Folhadella Costa, da Terceira Vara Cível de Indaiatuba, no interior de São Paulo, atendeu ação da West Side Turismos e Viagens Ltda e suspendeu a licitação dos transportes da cidade, que teve a empresa Sancetur como vencedora.

Trata-se de uma decisão de tutela provisória de urgência, que não anula a licitação, mas suspende o contrato até que as possíveis irregularidades apontadas pela West Side sejam apuradas pela justiça.

A decisão foi publicada no sistema do TJ em 01º de agosto de 2019.

Entre os pontos levantados pela empresa que pertence ao grupo de Belarmino de Ascenção Marta, que teve uma companhia descredenciada pela prefeitura, está o que considera “ habilitação de forma indevida” da Sancetur, pelo indício de que a empresa da família Chedid apresentou, ainda segundo a ação, “vícios em seu balanço patrimonial, o que foi objeto de recurso administrativo; indeferido pela municipalidade sem razoável fundamentação”.

A companhia do grupo de Belarmino ainda alega que a proposta financeira da empresa dos Chedid não é compatível com a realidade “de custos para operações” do sistema de transporte, e que, por isso, a Sancetur deveria ter sido “desclassificada; o que também foi suscitado pela requerente em sede administrativa, sem sucesso.”

A West Side ainda diz que a Sancetur, ao longo do contrato emergencial, tem sido beneficiada pela prefeitura.

Sustenta a autora que a corré SANCETUR vem sendo beneficiada indevidamente no trato com a municipalidade de Indaiatuba, e trouxe à baila os fatos já conhecidos e debatidos nos autos n. 1000760-37, em que proferida sentença de procedência, para declarar a nulidade do Decreto Municipal nº 13.153/2017 e do Contrato Emergencial nº 701/17, entabulado entre os corréus para prestação de serviço de transporte coletivo de passageiros, e que, por ora, permanece a produzir efeitos, ante a interposição de recurso de apelação da sentença referida naqueles autos.

Na decisão, a juíza não atendeu ao pedido de declaração de nulidade do processo licitatório, mas suspendeu a eficácia do contrato até que sejam apuradas as possíveis irregularidades apontadas pela empresa de Belarmino.

A magistrada ainda disse que não há problemas de interrupção de serviços à população até que os esclarecimentos devidos sejam feitos porque a própria Sancetur já opera emergencialmente na cidade.

No mais, considerando que, por ora, até que se decidam definitivamente as questões postas nestes autos e nos autos n. 1000760-37, os serviços de transporte à população vem sendo oferecidos pela própria ré SANCETUR, por força de contrato emergencial, não vislumbro perigo da demora inverso. Destarte, DEFIRO o pedido de concessão da tutela provisória de urgência para determinar a suspensão total e imediata da Concorrência Pública nº 005/19 (Edital nº 071/19), especialmente a celebração do contrato de concessão, ou a suspensão de sua eficácia, caso venha já tenha sido firmado, nos termos pleiteados na inicial.

A Sancetur – Santa Cecília Turismo foi declarada vencedora da licitação dos transportes pela prefeitura de Indaiatuba no dia 11 de julho de 2019 e o contrato foi homologado no dia 30.

Segundo a administração municipal, a Sancetur ofereceu menor tarifa de remuneração.

A Sancetur apresentou a proposta de tarifa a R$ 4.60 e a West Side de R$ 4,67. Foram analisadas e aprovadas as planilhas de composição de preços das duas concorrentes, mas como a Sancetur apresentou o preço menor, ela foi declarada vencedora”. – diz nota da administração no dia 11.

Em 30 de agosto de 2019, o juiz José Maria Câmara Junior, da 8ª Câmara de Direito Público de Indaiatuba, no interior de São Paulo, negou recurso da Sacentur  – Santa Cecília que tentava reverter uma decisão de 31 de julho que suspendeu os efeitos da licitação dos transportes na cidade, na qual a empresa, que já opera emergencialmente, foi considerada vencedora pela prefeitura.

A companhia de ônibus queria um efeito suspensivo da decisão anterior, mas o magistrado entendeu que há pontos da concorrência que necessitam de mais esclarecimentos.

Como já destacado no recurso acima referido, diante da existência de controvérsia sobre a higidez do decreto que declarou a caducidade da concessão anterior, e da contundência das alegações da autora, ora agravada, quanto à impraticabilidade dos preços ofertados pela vencedora, associadas à percepção de que uma mesma sociedade foi reiteradamente contratada para prestação do serviço a título precário e, coincidentemente, foi a vencedora do certame, tudo se inclina no sentido de que se faz necessário melhor apurar as alegações de fato antes de, se o caso, viabilizar o contrato. – diz o trecho da decisão desta sexta-feira.

Na decisão de 31 de julho, que suspendeu os efeitos da licitação e que foi mantida neste dia 30 de agosto, a juíza Erika Folhadella Costa, da Terceira Vara Cível da cidade atendeu ação da West Side Turismos e Viagens Ltda.

José Maria Câmara Junior escreveu na decisão que seria pior para a população se o contrato da licitação fosse quebrado caso em outro processo fossem constatadas as irregularidades que se a suspensão atual seja mantida para todos os esclarecimentos.

Na visão do magistrado, a suspensão não causaria prejuízos à Sancetur porque a empresa opera emergencialmente na cidade.

 É certo que o desfazimento do contrato, em eventual provimento judicial posterior, será mais traumático para o serviço público do que manter o status quo enquanto se dissipam as dúvidas sobre a higidez dos atos administrativos impugnados.

Não se identifica, por outro lado, a formação de cenário que acarrete, para a agravante, risco de perecimento do direito porque a postergação do prazo para eventual celebração do contrato repercute também na data em que o prazo contratual se esvairá. Ou seja, o adiamento da assinatura do contrato não tem o potencial de comprometer o tempo da concessão.

No pedido de efeito suspensivo, a Sancetur alegou “irrelevância dos fatos discutidos no processo; ação ajuizada por terceira sociedade empresária, que sequer participou da licitação em discussão; risco de perpetuação dos contratos emergenciais, em detrimento de contrato oriundo de licitação regular;  correção do ato de habilitação da agravante; prova da boa saúde financeira da empresa;  e ínfima diferença entre as propostas da agravante e da agravada (1,5217% )de modo que, se o preço previsto pela agravante for inexequível, o da agravada também o será.”

A decisão também não anulou a licitação e nem sequer confirma eventuais irregularidades cometidas pela Sancetur ou pela prefeitura de Indaiatuba no processo concorrencial, mas mantém o contrato suspenso enquanto as apurações são realizadas.

As indisposições entre a parte da família Chedid e as empresas de Belarmino se ampliaram desde que a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré, de Belarmino, foi descredenciada em janeiro de 2018 pela prefeitura de Indaiatuba, que alega que a companhia descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes.

A empresa que assumiu no lugar foi justamente a  Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, em um contrato emergencial.

Desde então, os dois grupos comerciais travam disputas em outras licitações:

Indaiatuba:

O grupo de Belarmino e a Sancetur travaram uma guerra comercial, nos tribunais e de informações desde que a empresa Citi – Companhia de Transportes de Indaiatuba, cuja razão social é Viação Rápido Sumaré, de Belarmino, foi descredenciada em janeiro de 2018 pela prefeitura de Indaiatuba, que alegava que a companhia descumpriu uma série de cláusulas, como operação de ônibus antigos, má conservação da frota, atrasos e quebras constantes.

A empresa que assumiu no lugar foi justamente a  Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, em um contrato emergencial. Houve uma licitação para a operação de um contrato regular, cuja vitória foi atribuída pela prefeitura à Sancetur. Mas em 31 de julho de 2019, a juíza Erika Folhadella Costa, da Terceira Vara Cível da cidade atendeu ação da West Side Turismos e Viagens Ltda e suspendeu os efeitos da licitação até esclarecimentos sobre a concorrência. A West Side pertence a Belarmino. No dia 30 de agosto de 2019, o juiz José Maria Câmara Junior, da 8ª Câmara de Direito Público de Indaiatuba, no interior de São Paulo, negou recurso da Sacentur e manteve a suspensão. A empresa de parte da família Chedid continua operando emergencialmente.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/30/justica-nega-recurso-da-sancetur-e-mantem-decisao-que-suspendeu-licitacao-de-indaiatuba/

Bragança Paulista:

A licitação dos transportes de Bragança Paulista, no interior de São Paulo, reúne três nomes que têm sido comuns em concorrências no Estado.

A prefeitura comunicou nesta terça-feira, 15 de outubro de 2019, a habilitação de três empresas no certame e a disputa promete ser acirrada.

As empresas habilitadas são:

– Carretero – Agência de Viagens, Turismo e Fretamentos, que segundo a Jucesp – Junta Comercial do Estado de São Paulo pertence a Belarmino de Ascenção Marta, a sua outra empresa, Nossa Senhora de Fátima Auto-Ônibus Ltda (atual operadora), Embralixo – Empresa Bragantina de Varrição e Coleta de Lixo e Manuel José Rodrigues.

– Sancetur – Santa Cecília Turismo Ltda, que ainda segundo a Jucesp, pertence à Marly Theckla Nassif Abi Chedid e a Mauro Costa Pereira Filho.

– JTP – Transportes, Serviços, Gerenciamento e Recursos Humanos Ltda, de Paulo Henrique Wagner e Tadeu Wagner Júnior, de acordo com registro da Jucesp.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/10/15/jtp-belarmino-e-chedid-classificados-na-disputa-pelos-transportes-de-braganca-paulista/

Americana:

A concorrência pública para definir a nova concessionária do transporte coletivo de Americana, interior de São Paulo, foi suspensa por decisão do Tribunal de Contas do Estado de SP (TCE-SP).

Em seu despacho de 14 de outubro de 2019, o Conselheiro Edgard Camargo Rodrigues, em função de representações apresentadas contra o certame, e pelo fato de a entrega das propostas da Concorrência Pública nº 003/2019 ter sido marcada para o dia 15, determinou ao Prefeito de Americana que suspenda “a sessão pública inaugural e abstenha-se de quaisquer medidas até deliberação definitiva desta Corte”.

Motivaram a suspensão, as representações apresentadas ao TCE por Edinilson Ferreira da Silva, cidadão de Itatiba; a empresa West Side Viagens e Turismo LTDA.; e a empresa MJM Transportes e Serviços EIRELI.

Atualmente o transporte local é operado pela Sancetur em caráter emergencial. A última renovação foi publicada no dia 23 de março de 2019. A West Side pertence ao grupo de Belarmino de Ascenção Marta:

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/10/14/tce-sp-suspende-licitacao-dos-transportes-de-americana/

– Campinas:

Um dos principais sistemas de atuação de Belarmino de Ascenção Marta teve abertura de concorrência por parte da prefeitura com previsão de entrega de envelopes com as propostas no dia 18 de outubro de 2019, mas no dia 14, o TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo suspendeu a licitação. Entraram com representações a ITT Itatiba Transportes Ltda, Sancetur Santa Cecília Turismo Ltda e pela Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo (FETPESP).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Fonte: Diário do Transporte

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Brasil
Comentários estão fechados.

Leia também

Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo em adultos começa na segunda-feira (18)

Notícias Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo em adultos começa na segunda-feir…