Angélica e a filha que foi arrastada por um homem no estabelecimento

Uma vendedora de 31 anos registrou um boletim de ocorrência de tentativa de sequestro da filha de 9 anos para alertar as polícias e os pais sobre as ocorrências desse tipo de crime.

Segundo Angélica Gomes, a filha foi arrastada por um homem quando estava na lanchonete Habib’s, do Centro de Campinas. A menina só não foi levada porque uma mulher viu a ação e impediu.

O suspeito, descrito como bem vestido, grisalho e de boa aparência, fugiu.

O crime aconteceu no último dia 1º e foi registrado no 1º Distrito Policial (DP), no dia 6.“Já ouvi tantas histórias de tentativa de sequestro, mas ninguém comunica a polícia. Fica com medo. O meu caso foi real. Graças a Deus alguém viu e minha filha está com a gente, mas a polícia precisa saber que houve essa tentativa e precisa identificar quem são esses criminosos. Não podemos ter medo ou simplesmente deixar de lado casos como estes”, disse.

No início de outubro deste ano, um casal passeava no Shopping de Hortolândia com a filha de 2 anos, quando um homem tentou levar a criança. Na época, desesperada, a mulher relatou que o desconhecido estava com uma mulher e esbarrou na família. Em seguida, o homem pegou a criança e caminhou à frente. “Foi tudo muito rápido. Na hora eu e meu marido ficamos confusos”, contou na ocasião a mulher, cujo nome foi preservado.

A mãe chamou pela filha e o homem, então, colocou a criança no chão e deu a desculpa que a criança estava perdida.“Naquela época vi o relato dessa mãe nas redes sociais e fiquei chocada. Imagina agora que aconteceu comigo, de verdade.

Estou traumatizada. Minha filha está com medo de ir à escola e eu, que já não ia no Centro, agora não vou mais”, disse Angélica.

A vendedora conta que no dia estava com a avó de 70 anos, a mãe, a irmã, o cunhado e o outro filho de 6 anos.

A família tinha passeado no Centro e decidiu lanchar no local, que estava lotado. Eles se sentaram perto do banheiro feminino.

Em dado momento a garotinha pediu para ir ao banheiro. “Minha mãe estava de frente para a porta do banheiro.

O homem já tinha passado várias vezes por nossa mesa e achávamos que era o dono do local, pois estava muito bem arrumado, com roupa social. Havia fila para entrar no banheiro e minha filha era a última.

Foi questão de minutos. Não vimos nada e só soubemos do que aconteceu 15 minutos depois, após minha filha começar a chorar”, contou Angélica.

Segundo ela, a menina foi arrastada por cerca de um metro e a mulher que estava na fila viu e impediu a ação do homem. A garota teria ficado em estado de choque, voltou para a mesa calada e a família não percebeu. “Quando ela nos contou, falamos com a gerência do local.

Ele nos orientou e ofereceu as imagens do estabelecimento. Se colocou à disposição. Foram muito atenciosos. Não é culpa do local, que é público. Na verdade, nós pais, temos que ficar atentos.

Decidi então fazer o boletim de ocorrência para fazer esse alerta: o crime existe sim e a polícia precisa descobrir essa quadrilha, pois, com certeza, age em vários”, falou.

A rede Habib’s, por intermédio da assessoria de imprensa, disse não ter conhecimento do ocorrido e que vai apurar as informações junto à unidade franqueada. Também se coloca à disposição para colaborar com o que o for necessário.

Patrícia Domingos/AAN

Fonte: RAC

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Região
Comentários estão fechados.

Leia também

Porteiro que salvou criança será homenageado pelo Corpo de Bombeiros

“Para mim é uma satisfação grande ver o nosso trabalho sendo reconhecido por todos&#…