Indústria defende rota tecnológica do etanol para o futuro da mobilidade no Brasil
A partir da esquerda: Ricardo Abreu (Mahle), Ricardo Bastos (Toyota), Eugênio Dantas (AVL), João Herrmann (VWCO), João Irineu (FCA) e Alfred Szwarc (Unica, mediador)

Combustíveis | 18/06/2019 | 21h37

Tecnologias com o biocombustível podem colocar o País na vanguarda do desenvolvimento

SUELI REIS, AB

Uma rota tecnológica baseada no uso do etanol é o melhor caminho que o Brasil poderia escolher em termos de futuro da mobilidade visando baixas emissões. Este foi o ponto comum defendido por alguns representantes da indústria automotiva no segundo e último dia do seminário Ethanol Summit, na terça-feira, 18, em São Paulo e promovido pela Unica, associação que reúne o setor sucroalcooleiro.

Globalmente a rota tecnológica aponta o carro elétrico como a melhor solução para o futuro da mobilidade. O modelo cujo propulsor é baseado em uma bateria e, portanto, possui zero emissão, está sendo massivamente colocado nos mercados de vanguarda, como União Europeia, Estados Unidos, Japão e agora de forma mais expressiva na China. Além disso, o conceito 100% elétrico vem direcionando as novas estratégias de negócios das montadoras e mudando seus portfólios.

“Estima-se atualmente uma introdução de 20% a 30% dos elétricos nos portfólios das fabricantes de veículos na Europa”, aponta o diretor de assuntos regulatórios da FCA, João Irineu. “Contudo, não existe uma só tecnologia ‘vencedora’ e ideal para todos. No Brasil, há uma grande oportunidade de rota tecnológica com o etanol e que só cabe a nós propor, ninguém mais no mundo vai correr atrás disso”, comentou se referindo ao uso do biocombustível em tecnologias mais eficientes de propulsão.

O executivo reforçou que as perspectivas para a ampliação do uso do etanol são promissoras, dado o esforço conjunto dos produtores do combustível e das fabricantes de veículos. Pelo lado das produtoras, há condições de produzir combustíveis de modo mais eficiente e com oferta estável e previsível. Do lado da indústria de veículos, também há um empenho para aumentar a eficiência energética da combustão do etanol a partir da melhoria dos motores a fim de atender as regulamentações das emissões, como é o caso do Rota 2030, que prevê novos níveis de CO2 para a indústria automotiva no País a partir de 2023.

No caso da FCA, já está em desenvolvimento uma versão a etanol do novo motor turbo que a montadora vai produzir em Betim (MG) para aplicação a partir de 2022.

“Estamos aprimorando calibração, partida a frio, razão ar/combustível, injeção direta, turboalimentação e melhoria termodinâmica. Com isto, o etanol será viável mesmo nos níveis rigorosos de regulamentação previstos para a próxima década. O etanol também é um combustível competitivo para veículos híbridos das categorias HEV e PHEV e pode tornar-se a base de células de combustível eficientes”, acrescentou.

O projeto de célula de combustível a etanol já existe e vem sendo uma das apostas da Nissan para eletrificar o etanol.

“É uma tecnologia disponível e adequada para o Brasil”, aponta o diretor executivo da AVL, Eugênio Dantas, que também defendeu a vanguarda brasileira no desenvolvimento e na evolução do uso do etanol rumo à eletrificação: “As engenharias brasileiras têm que se abraçar e não depender das tecnologias da China, dos Estados Unidos ou da Europa.”

A AVL é uma das empresas em conjunto com a Mahle, outras companhias do setor e universidades que participam de um consórcio para o estudo e desenvolvimento de soluções para a mobilidade no Brasil. “É um trabalho de extrema importância porque as empresas que vão fornecer para esta nova mobilidade têm que dominar esse conhecimento e criar essa cadeia”, comenta o diretor da Mahle, Ricardo Abreu.

Para Abreu, o Brasil deve criar o que ele chamou de bio-eletrificação, que é a evolução dos motores híbridos com o uso de biocombustíveis. “O etanol é o melhor aditivo para melhorar a octanagem da gasolina. Por outro lado, os híbridos no Brasil terão que ser diferentes dos híbridos feitos lá fora, tem que focar num híbrido popular, e isso não será um problema, porque o Brasil tem know how em motores pequenos 1.0”, disse e acrescentou. “O transporte público pode ser o grande vetor para a introdução dessas tecnologias.”

O ETANOL NOS COMERCIAIS

O segmento de veículos comerciais não fica de fora do futuro do etanol na mobilidade elétrica. Para João Herrmann, da área de planejamento de produto na Volkswagen Caminhões e Ônibus, a tecnologia híbrida aliada ao etanol é a que mais faz sentido para a realidade brasileira. O executivo lembra que a empresa já possui um projeto de ônibus híbrido, o e-Flex, cujo motor a combustão é um motor leve, 1.4 turbinado flex de 150 cv de potência, fabricado pela VW São Carlos (SP) e utilizado nos modelos Golf e Audi A3 Sedan. No chassi, esse motor é utilizado como gerador de energia para a bateria e começa a funcionar sempre que a carga das baterias cai a 20% e desliga automaticamente quando atinge 80%.

Segundo Herrmann, o veículo com carroceria no padrão de 15 toneladas ainda está em fase de testes internos (em circuito fechado) feitos pela montadora, em Resende (RJ). O executivo defende que embora o custo de aquisição seja maior que um ônibus convencional a diesel, há aspectos que viabilizam a tecnologia.

“O primeiro deles é o próprio combustível: o etanol é mais barato que o diesel; diferente de um veículo 100% elétrico, ainda há necessidade de manutenção, porque há um motor a combustão aí, mas essa manutenção também será mais acessível porque o desgaste é muito menor do que um motor a diesel, estamos falando de um propulsor leve, de automóvel. No fim, o TCO [custo total da operação] se prova ser menor”, defende.

Contudo, Herrmann alerta que o setor de transporte de passageiros não vai adotar novas tecnologias sem o apoio de subsídios governamentais. “É necessário buscar o que faz mais sentido para a operação, não empurrar uma tecnologia só porque outro país vai usar. É fato que os cálculos mostraram ser essa a solução mais assertiva para o Brasil, mas a conta tem que fechar. E essa evolução não é só um papel da montadora e do sistemista: tem que envolver toda uma cadeia, o governo, e ampliar essas soluções a partir do Rota 2030 ou mesmo com o Renovabio”, disse.

Por sua vez, o diretor de relações institucionais da Toyota, Ricardo Bastos, aponta outra possibilidade para o uso do etanol quando o assunto é célula de combustível. A tecnologia atual utilizada no primeiro veículo movido a célula de hidrogênio, o Toyota Mirai, prevê a necessidade de abastecimento do veículo com hidrogênio. Atualmente, ele é apenas vendido nos Estado Unidos (Califórnia), no Japão e em alguns poucos países da Europa. O carro com célula de combustível encontra as mesmas barreiras que o 100% elétrico, relacionadas a custos e rede de recarga pouco disseminada.

Bastos aponta que há na Toyota global um projeto sendo estudado para gerar o hidrogênio a bordo a partir de biocombustível. “É um laboratório dentro do carro, por isso estamos fazendo em carros grandes, como vans. Estamos trabalhando nisso”, disse.

O executivo voltou a defender que o híbrido flex é uma das melhores tecnologias, porque possui o ciclo mais limpo, desde a geração do etanol até o baixo nível de emissões. Dados comparativos apresentados por ele apontam que no caso de um sedã médio, as emissões do híbrido são 89% menores se comparado com o mesmo modelo totalmente a combustão.

O Corolla será o primeiro híbrido flex do mundo, a ser produzido na fábrica de Indaiatuba (SP) a partir de setembro. O lançamento foi confirmado por Bastos para outubro no mercado brasileiro.

Tags: Indústria, etanol, mobilidade, biocombustível, Renovabio, Ethanol Summit, emissões, elétricos, híbridos.

Comentários

  • CARLOSMAGNO BARRETO DE OLIVEIRA

    Estouotimista com essas novas tecnologias, que associam economia de combustível com uma redução drástica de emissão de poluentes, quero parabenizar a Toyota por ser a primeira a desenvolver um veículo hibrido flex, espero que implemente o mais rápido possível em veículos com preços mais acessíveis a realidade brasileira de consumidores com menor poder aquisitivo, que venha o Corolla o Yaris e C-HR meu sonho de consumo, conheci na Itália é maravilhoso, quanto ao Étios é preciso melhorar do design pois é de muito feio. Acredito que o Toyota Corolla Hibrido Flex será um sucesso de vendas, espero que a Fiat e as outras montadoras acordem e corram atrás da Toyota, pois caso contrário em 4 anos a Toyota assumira a liderança de vendas no Brasil com o lançamento de outros modelos híbridos flex.

  • NEYPERES

    Nãosei se fico contente ou preocupado com a reportagem acima. Mais de 40 anos de pro álcool, sem qualquer evolução significativa, e agora que o mundo esta indo numa direção, nós os “Dom Quixotes/espertalhões” queremos ir por um caminho diferente. Como trabalhador do setor metal mecânico deveria ficar entusiasmado com este movimento “o etanol é nosso”. Estaríamos, mais uma vez, na contramão? Onde buscaríamos a economia de escala (Produção Veículos Mundial = 95mi, Brasil = 3Mi/ano)? Continuará o Consumidor Brasileiro amarrado ao monopólio da EthanolBras? Nossos vizinhos e parceiros comerciais estarão conosco ou se aproveitarão para atrair investimentos nos veículos elétricos?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Combustíveis | 04/06/2019 – 15h28

Próximo passo é usar a mistura B10 e B20 em caminhões e ônibus Iveco e também em geradores de energia
REDAÇÃO AB

Combustíveis | 29/11/2018 – 17h31

Ônibus, caminhões, máquinas agrícolas e carros rodam em testes com biometano obtido de resíduos de cana e esgoto
PEDRO KUTNEY, AB

Combustíveis | 12/09/2018 – 15h29

Modelo passa por avaliações com gás produzido dentro da área da usina
REDAÇÃO AB

Combustíveis | 11/05/2018 – 19h53

Segundo especialistas, País pode produzir 52 bilhões de m3 por ano
REDAÇÃO AB

Combustíveis | 31/01/2018 – 14h40

Unidade de Lucas do Rio Verde vai produzir 530 milhões de litros/ano
REDAÇÃO AB

Anfavea e Unica assinam acordo estratégico

Combustíveis | 29/06/2017 – 16h34

Entidades querem medidas para unir programas Renovabio e Rota 2030
REDAÇÃO AB

Combustíveis | 27/06/2017 – 16h15

No Ethanol Summit, João Irineu fala em convergência tecnológica
REDAÇÃO AB

Audi passa a produzir e-gás, metano sintético

Combustíveis | 08/03/2017 – 16h40

Biogás de baixa emissão já é utilizado pelo A3 Sportback g-tron
REDAÇÃO AB

Mercedes testa etanol celulósico em automóveis

Combustíveis | 21/02/2017 – 16h17

Combustível de resíduos agrícolas tem boa queima sem consumo adicional
REDAÇÃO AB

Receba as “Notícias De Indaiatuba’ no Seu WhatsApp Os leitores que solicitarem o serviço gratuito irão receber, direto nos seus aplicativos, as principais notícias do dia. Estar sempre conectado aos aplicativos de mensagens instantâneas, como o WhatsApp, não significa estar desinformado. Com o Notícias de Indaiatuba, você pode receber diariamente as principais notícias do dia no seu celular. Para participar, basta adicionar nos seus contatos o número (19) 98122-4163 e enviar uma mensagem pelo WhatsApp, enviando a palavra “Notícias de Indaiatuba” (quem já é adepto do serviço continuará recebendo as notícias pelo número divulgado anteriormente). O esquema de envio será via lista de transmissão. Isso significa que os leitores que optarem por receber o conteúdo só serão notificados pelo Notícias de Indaiatuba, que administra o grupo.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias
Comentários estão fechados.

Leia também

Ypê está com oportunidade(s) para Técnico Controle de Qualidade

Vaga para 2ºT (das 14h20 as 22h35) de segunda a sábado. Técnico Controle de Qualidade Miss…