Quem tem um pequeno negócio sabe que não é fácil pensar no layout da loja, na vitrine, nas cores da fachada e ainda administrar o caixa, o estoque, os fornecedores e o faturamento. Tudo ao mesmo tempo. Pensando numa solução para este desafio, as empreendedoras Patricia Barbosa, aluna da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Sebrae, e Grazielly Silva, graduada pela Escola Técnica Estadual (Etec) de Poá, fundaram a Repagina.me.

O objetivo da startup é oferecer serviços para melhorar o empreendimento do cliente, como reformas rápidas e consultoria para gestão do negócio e das vendas.

A Repagina.me foi uma das cinco startups selecionadas pela Impact Hub, aceleradora que incentiva projetos de empreendedorismo e impacto social. Como prêmio a empresa recebeu aporte de R$ 10 mil e uma mentoria por um período de quatro meses. A assessoria visa proporcionar às empresas premiadas a oportunidade de testar e aperfeiçoar seu modelo de negócio.

Durante a mentoria, as sócias farão pesquisa qualitativa e quantitativa para identificar demanda de negócios e oportunidades de parcerias na região do Jardim Ibirapuera, zona Sul da capital. Segundo Patricia, a meta da Repagina.me é ter uma rede de fornecedores de matéria-prima e mão de obra locais. “Esta estratégia reduz custos e estimula a economia por meio da geração de renda no bairro. Outro objetivo da startup é priorizar o uso de materiais sustentáveis”, afirma.

Com uma plataforma digital e perfis nas redes sociais, a startup divulga seus serviços e faz prospecção de clientes. O primeiro contrato na região foi fechado com a Associação Bloco do Beco – organização que promove atividades culturais, esportivas e de lazer para a comunidade do Jardim Ibirapuera.

Estudantes de cursos diferentes, as duas sócias reconhecem a excelência do Centro Paula Souza (CPS) como instituição incentivadora do empreendedorismo. Patricia é arquiteta e foi fazer a segunda graduação em Gestão de Negócios e Inovação, na Fatec Sebrae para aprender sobre gestão e tocar seu próprio negócio. Grazielly concluiu o técnico de Administração na Etec de Poá, em 2015, formação que a motivou a criar a startup.

Diagnóstico completo

Além do serviço de reforma, a Repagina.me oferece também o diagnóstico do negócio e da performance de vendas. Segundo Grazielly, o cliente geralmente chega pedindo uma mudança de layout e leva também a consultoria. “Como gestão de negócios também é nossa expertise, procuramos entregar este serviço adicional e agregar valor ao nosso negócio”, afirma.

Ainda segundo a empreendedora, a empresa pretende manter o foco em clientes mulheres. “Na periferia, a maioria delas é chefe de família e provedora. Por isso, é comum elas seguirem o caminho do empreendedorismo que concilia o trabalho e os cuidados com os filhos”.

A empresa também desenvolve projetos em 3D, ações de merchandising e vitrinismo. A startup oferece dois pacotes para reforma de imóveis de aproximadamente 30 metros quadrados. Uma opção básica que inclui o projeto e uma reunião presencial para orientação e esclarecimento de dúvidas. E outra mais completa que agrega consultoria, acompanhamento da obra, execução, material, contratação de profissionais e entrega.

A startup foi estruturada a partir da experiência e o conhecimento adquiridos nos cursos do Centro Paula Souza. Disciplinas como modelo de negócios em Canvas, estatística, metodologia de pesquisa, elaboração de planilha de custos e marketing formaram a base teórica para criação e desenvolvimento da startup.

A mentoria da Impact Hub permitirá ainda a sinergia entre as startups premiadas pela aceleradora. Patricia adiantou que está em estudo, por exemplo, uma parceria com uma destas empresas que é do segmento financeiro. A ideia é oferecer linha de crédito para pequenos comerciantes que pretendam reformar o imóvel, mas não dispõe de capital.

Aprender a empreender  

Sob orientação de professores do curso de Gestão de Negócios e Inovação da Fatec Sebrae, Patricia ingressou no segmento de reformas atendendo obras residenciais no bairro de Perus, localizada na zona norte da Capital. Posteriormente, associou-se à Repagina.me e passou se concentrar no segmento comercial que apresentava mais demanda e menos concorrência entre prestadores especializados.

As primeiras reformas da Repagina.me foram feitas em salões de beleza em Poá e Suzano, municípios localizados na Região do Alto Tietê, e incluíram reformulação do layout, troca de decoração, colocação de piso, projeto arquitetônico e reforma elétrica e hidráulica.

Antes de ser sócia da Repagina.me, Patricia participou da terceira edição da Aceleradora de Negócios de Impacto da Periferia (Anip). Realizada em abril de 2019, a Anip contou com 167 inscritos e a estudante da Fatec Sebrae ficou entre os dez classificados. A conquista rendeu uma premiação de R$ 20 mil que foram investidos no seu primeiro negócio de reforma residencial.

Além de aluna do quinto semestre do curso de Gestão de Negócios e Inovação, Patrícia concluiu como bolsista o curso de Arquitetura no Mackenzie, em 2016. “Quando me formei, o mercado da construção civil estava difícil, com todos os escândalos das empreiteiras e a recessão econômica no País, as oportunidades de trabalho eram cada vez mais escassas”, afirma. Ainda segundo a empreendedora, a opção pela Fatec veio para agregar conhecimentos sobre marketing e gestão do próprio negócio.

Fonte: Governo de SP

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias
Comentários estão fechados.

Leia também

Brasil tem 92 mortes por coronavírus; número de casos vai a 3.417

O número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil subiu para 92 nesta sexta-feira (27), s…