Um casal hippie teve o filho de dez meses recolhido pelo Conselho Tutelar de Campinas porque não tem endereço fixo

Além disso, também não deu as duas vacinas que estavam em falta na rede por controle do Ministério da Saúde e ainda porque a mãe não fez o pré-natal. O bebê foi levado para uma casa-abrigo e deverá ser entregue hoje para a avó materna, em Assis (SP), a 422 km de Campinas. A criança ainda é amamentada pela mãe, que teve de pedir ajuda à Defensoria Pública para rever o bebê. O Conselho Tutelar confirma os motivos que levaram ao recolhimento da criança, mas garante que a mãe foi orientada a amamentar o bebê a cada duas horas, mas ela não compareceu no local.

LEIA TAMBÉM

Tirado dos artesãos, garotinho foi levado para abrigo e irá para Assis
O recolhimento da criança ocorreu na última segunda-feira após denúncias de transeuntes ao Movimento Vida Melhor (MVM). O casal estava com o filho em frente a uma agência bancária na Avenida Francisco Glicério, próximo aos Correios e Telégrafos. A mãe do bebê, a artesã Maria Vitória Penaquini, de 21 anos, contou que a família estava no local para vender o material que o casal confecciona. Ainda conforme a mãe, o casal se reveza na venda e nos cuidados com o filho.

Ela estava com o bebê quando foi abordada por uma mulher que se identificou como assistente social da MVM. “Ela exigiu documentos do meu filho, sem apresentar a identificação dela. Como leio muito sobre sequestro de crianças, me recusei. Meu marido viu a discussão e veio ao nosso encontro. A mulher não gostou e foi embora. Passou um tempinho e apareceu a Guarda Municipal que nos levou, sem a presença de um conselheiro, para a sede do Conselho Tutelar”, contou.

O casal contou que chegou a Campinas no domingo à tarde após passar dois dias participando de uma festa em Itirapina.
Eles vieram com um ônibus fornecido pelo próprio evento e que os deixou na rodoviária de Campinas. De lá, seguiram até um hotel, onde pernoitaram e pela manhã foram ao Centro para vender alguns produtos e depois seguiriam de ônibus até Cotia, onde queriam resolver um problema com a máquina de débito/crédito. “Somos trabalhadores. Vivemos de cidade em cidade. Nosso filho é feliz e já está acostumado. É nosso estilo de vida. É preconceito essa atitude do Conselho Tutelar. Eu fiz pré-natal nos cinco primeiros meses e nos dois últimos meses, em cidades diferentes. A gente vive para nosso filho. Não vemos maldade em criar nosso filho dentro do nosso estilo de vida”, disse Maria Vitória.

O casal afirma que ganha por mês cerca de R$ 2,5 mil e compra tudo o que a criança necessita para o dia a dia. Eles fazem questão de levar o filho em todos os locais onde estão e mantém o bebê em segurança. “O neném é uma criança feliz. Amamos ele. Não estamos dormindo e nossa vida parou nestes dias. Não é justo o que fizeram”, disse o pai, o artesão Alessandro de Oliveira Barbosa. “No dia da abordagem ficamos nervosos porque vimos que se tratava de um preconceito. Somos trabalhadores. Cresci na rua, pois meus pais eram nômades. Tudo que aprendi foi com eles”, acrescentou.

O casal teve de alugar uma casa com amigos para provar endereço fixo. Eles afirmam que o desespero foi tão grande que chegaram a pedir ajuda de uma instituição para fornecer endereço para eles.

Outro lado

A conselheira Débora Palermo disse que o Conselho Tutelar recolheu o bebê com base no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) como medida de proteção. “Não tem problema dos pais ficarem na rua. A criança tem de ficar em local protegido. O bebê estava queimado do Sol, com roupas sujas. Se eles quiserem, podemos arranjar uma creche para a criança. Só queremos que eles tenham residência fixa”, disse.
Segundo Débora, o Conselho ofereceu albergue para os pais e também a Casa da Gestante para a mãe, mas o casal recusou. “Recebemos denúncia do MVM e por isso pedimos para a GM trazê-los até o conselho. O casal é reincidente. Neste ano recebemos denúncias de moradores de Barão Geraldo que eles estavam morando debaixo de um abacateiro com a criança.
Avisamos sobre o fato de viverem em situação de rua com a criança, mas voltaram a ficar com o filho na rua”, disse a conselheira, que garantiu que o Conselho Tutelar de Campinas levará hoje o bebê e a mãe até a entidade de Assis, onde será entregue à avó da criança. “O conselho de lá vai dar continuidade ao caso. Nossa parte fizemos, o de recolher a criança. Todas as denúncias, vamos atrás verificar e só tiramos dos pais em último caso”, frisou.

Escrito por:

Alenita Ramirez
[email protected]

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Região
Comentários estão fechados.

Leia também

Jogos de Roleta ao Vivo a Partir do Seu Celular

Jogos de Roleta ao Vivo a Partir do Seu Celular Por Alana Santos Junto às apostas esportiv…